Apoiando o Movimento CLT Global

Capítulos de Áudio

Estamos fornecendo versões de áudio gratuitas de capítulos selecionados do On Common Ground, narrados pelos próprios autores - com novos capítulos sendo adicionados semanalmente. Você pode transmiti-los aqui ou ouvi-los no Podcasts da Apple ao mesmo tempo que Spotify.

Descrições do capítulo

INTRODUÇÃO: Em terreno comum
John Emmeus Davis, Line Algoed e María E. Hernández-Torrales

Os editores do livro explicam por que decidiram produzir On Common Ground, o que ele contém e como esperam que o livro seja usado. Eles reconhecem a variedade de maneiras pelas quais os CLTs estão sendo organizados, operados e aplicados em todo o mundo, enquanto apontam para valores e compromissos que são compartilhados pela maioria dos praticantes e acadêmicos CLT, incluindo os 42 contribuintes do presente volume.

CAPÍTULO 1: Em Land We Trust: Principais Características e Variações Comuns de Community Land Trusts nos EUA
John Emmeus Davis

O cenário CLT global é de enorme diversidade, mesmo nos Estados Unidos, onde o CLT “clássico” foi concebido. A definição das características de propriedade, organizacionais e operacionais deste modelo “clássico” são detalhadas no presente capítulo, junto com as variações mais comuns de cada um. Cinco “causas de variação contínua” também são consideradas.

CAPÍTULO 2: Uma vez e a futura cidade-jardim
Yves Cabannes e Philip Ross

Cabannes e Ross revisitam a Cidade Jardim, originalmente proposta por Ebenezer Howard há mais de 100 anos, para perguntar como sua visão pode ser apresentada em um ambiente moderno. Os fundos comunitários de terras, argumentam eles, fornecem uma resposta parcial, servindo como “um veículo para gradualmente reunir terras e colocar os princípios da Cidade-Jardim em prática - agora, não depois”.

CAPÍTULO 3: Terreno Comum: Terra de propriedade da comunidade como uma plataforma para o desenvolvimento equitativo e sustentável
John Emmeus Davis

“Common ground” é uma abreviatura para o desenvolvimento liderado pela comunidade de moradias permanentemente acessíveis em terras de propriedade da comunidade, a estratégia empregada por consórcios de terras comunitárias e outras ONGs que operam de maneira semelhante. Em uma plataforma de terreno comum, argumenta John Emmeus Davis, propriedade e poder podem ser distribuídos de forma equitativa e quaisquer ganhos em patrimônio podem ser sustentados de forma confiável, apesar das pressões políticas e forças de mercado que poderiam corroer esses ganhos. Esta é uma “reforma não reformista”, uma estratégia transformadora para promover o desenvolvimento com justiça dentro de uma comunidade local - e justiça duradoura.

CAPÍTULO 4: Argumentando a favor de CLTs em todos os mercados, mesmo os frios
Steve King

Os argumentos que justificam os CLTs tendem a se concentrar em sua eficácia na preservação da acessibilidade e na prevenção do deslocamento em fortes mercados imobiliários, onde os preços da terra e da habitação estão subindo. A maioria das justificativas regularmente negligencia os múltiplos papéis que os CLTs também podem desempenhar na melhoria das condições e empoderamento dos residentes onde os mercados imobiliários são fracos. O diretor executivo do Oakland Community Land Trust na Califórnia se esforça para corrigir esse desequilíbrio retórico, defendendo a eficácia anticíclica da CLT em todos os mercados, quentes e frios.

CAPÍTULO 5: Desafios para o novo garoto do quarteirão - propriedade coletiva
Liz Alden Wily

Em todo o mundo, quase três bilhões de pessoas ocupam terras ou fazem uso de recursos baseados na terra (por exemplo, bacias hidrográficas, florestas, pastagens) por meio de sistemas formais ou informais de propriedade coletiva. Dependendo da estrutura legal de um determinado país, essa propriedade é denominada de várias maneiras como terra comunal, coletiva, consuetudinária, nativa, indígena ou comunitária. Liz Alden Wily, especialista internacional em posse de terra, oferece uma visão geral da natureza e extensão da propriedade coletiva e explora por que algumas comunidades preferem garantir terras coletivamente em vez de direitos individuais.

CAPÍTULO 6: Do modelo ao movimento: O crescimento das relações de confiança de terras da comunidade nos Estados Unidos
John Emmeus Davis

Como um "modelo" experimental de desenvolvimento liderado pela comunidade em terras de propriedade da comunidade cresceu de um único protótipo CLT em 1969, semeado por ativistas afro-americanos em um canto remoto dos EUA, para um "movimento" nacional de mais de 280 CLTs hoje? A resposta pode ser encontrada em cinco “fatores de crescimento”: mensagem; campeões; atuação; política; e vigor híbrido. Apesar de um aumento constante no número de CLTs e no tamanho de suas participações, no entanto, as características-chave do modelo e os valores centrais do movimento são precários. O futuro pode parecer diferente do passado.

CAPÍTULO 7: Origens e evolução das relações de confiança de terras comunitárias urbanas no Canadá

Susannah Bunce e Joshua Barndt
O desenvolvimento de fundos comunitários no Canadá ocorreu ao longo de um período de 40 anos em duas fases distintas. A primeira geração de CLTs canadenses (1980 - 2012) combinou terras de propriedade da comunidade com cooperativas habitacionais com várias unidades em Toronto e Montreal ou promoveu a propriedade individual no oeste e no centro do Canadá. Mais recentemente, uma segunda geração de CLTs surgiu em cidades de todo o país em resposta a uma crise crescente em moradias populares, assumindo a forma de iniciativas baseadas na comunidade ou no setor. Desde 2017, CLTs mais antigos e mais novos se aglutinaram, por meio da Rede Canadense de CLTs.

CAPÍTULO 8: Confuso é bom! Origens e evolução do movimento CLT na Inglaterra
Stephen Hill, Catherine Harrington e Tom Archer

Os três autores são acompanhados por cinco comentaristas convidados para traçar a trajetória de desenvolvimento de CLT na Inglaterra, cobrindo três períodos: “origens do pensamento e prática CLT” (1986 - 2008); “Consolidação e crescimento” (2008-2018); e “futuros potenciais para CLTs” (presente e além). Na conclusão do capítulo, a questão é abordada: "Do que tratam os CLTs?"

CAPÍTULO 9: Além da Inglaterra: Origens e Evolução do Movimento Community Land Trust na Europa
Geert De Pauw e Joaquin de Santos

Desde a formação do Brussels Community Land Trust em 2010, o interesse pelo modelo tem crescido constantemente em toda a Europa. O capítulo faz um balanço do estado atual do movimento CLT europeu, examinando os desenvolvimentos CLT na Bélgica, França, Holanda, Alemanha, Itália, Suíça, Espanha, Portugal e Europa Central e Oriental. Embora o foco esteja na Europa, desenvolvimentos recentes na Escócia e na Irlanda também estão incluídos. O capítulo termina com uma descrição do SHICC (Habitação Sustentável para Cidades Inclusivas e Coesivas), uma colaboração transnacional financiada pela União Europeia para promover o desenvolvimento de CLT.

CAPÍTULO 10: Posse Coletiva de Terra na América Latina e no Caribe, Passado e Presente
Pierre Arnold, Jerónimo Díaz e Line Algoed

A posse coletiva da terra é considerada por muitos ativistas na América Latina e no Caribe um fator-chave na proteção do território indígena, promoção da produção social do habitat e consolidação das comunidades urbanas. Com exceção do Caño Martin Peña Community Land Trust em San Juan, Porto Rico, o modelo CLT ainda não foi amplamente aplicado na região, embora haja precursores e equivalentes modernos nos ejidos do México, territórios comunais de Equador e em estratégias de recuperação de terras de povos indígenas na Bolívia, Brasil e vários países do Caribe. Em áreas urbanas, a propriedade cooperativa de terras e moradias e a gestão cooperativa de reservas municipais extraídas do mercado são encontradas nas Cooperativas de Vivienda por Ayuda Matua no Uruguai e em várias lutas e iniciativas na Argentina, Brasil e Venezuela.

CAPÍTULO 11: Semeando a CLT na América Latina e no Caribe: Origens, Conquistas e a Prova de Conceito Exemplo do Fundo de Terras da Comunidade Caño Martín Peña
María E. Hernández-Torrales, Lyvia Rodríguez Del Valle, Line Algoed e Karla Torres Sueiro

O Caño Martin Peña Community Land Trust em San Juan, Porto Rico, vencedor do Prêmio Habitat Mundial das Nações Unidas em 2016, se tornou uma inspiração para ativistas comunitários em países em todo o Sul Global que buscam uma nova maneira de regularizar a posse da terra e para proteger as casas das pessoas que vivem em assentamentos informais. Este capítulo examina as origens básicas e a estrutura organizacional desta CLT pioneira e seu potencial para uso mais amplo em outros países.

CAPÍTULO 12: Trustes comunitários de terra em assentamentos informais: adaptando características da CLT Caño Martín Peña de Porto Rico para enfrentar a insegurança fundiária nas favelas do Rio de Janeiro, Brasil
Tarcyla Fidalgo Ribeiro, Linha Algoed, María E. Hernández-Torrales, Lyvia Rodríguez Del Valle, Alejandro Cotté Morales e Theresa Williamson

Em assentamentos informais em toda a América Latina, especialmente nas favelas do Brasil, é urgente encontrar novas estratégias para garantir a posse da terra. A precariedade jurídica da posse da terra nas favelas tem permitido despejos arbitrários, como os ocorridos no Rio de Janeiro antes da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016. A informalidade da posse também serviu como desculpa para os governos negligenciarem o desenvolvimento da infraestrutura local nas favelas e a provisão de serviços públicos adequados. Em 2010, Comunidades Catalisadoras, uma ONG sediada no Rio, começou a estudar a CLT como uma estratégia potencial para ajudar moradores de favelas a conseguirem permanecer em casas e bairros nos quais estão financeira e emocionalmente investidos. Baseando-se na experiência da primeira CLT na América Latina, o Caño Martin Peña Community Land Trust, Comunidades Catalíticas propôs uma estrutura legal e identificou as condições sociais onde seria viável desenvolver uma CLT em assentamentos informais como as favelas.

CAPÍTULO 13: Um Watershed Land Trust em Honduras: Perfil da Fundação Eco Verde Sostenible
Kirby White e Nola White

Fundado em 2002, o FECOVESCO é um fundo regional de terras que adquire, administra e protege permanentemente fontes de água e bacias hidrográficas das quais dependem comunidades remotas nas montanhas de Honduras. O controle dessas terras ribeirinhas é crucial para evitar que proprietários ausentes montem parcelas maiores para extração de madeira ou pastagem comercial de gado, atividades que poluem os córregos dos quais a água é retirada pelas pessoas de baixa renda que vivem nas proximidades. A FECOVESCO funciona tanto como um fundo fundiário controlado localmente, atuando como proprietário e administrador das terras da bacia hidrográfica, quanto como uma organização de desenvolvimento comunitário, construindo e expandindo sistemas de água e construindo e reparando escolas rurais remotas.

CAPÍTULO 14: Semeando a CLT na África: Lições dos primeiros esforços para estabelecer relações de confiança de terras comunitárias no Quênia
Claire Simonneau e Ellen Bassett, com Emmanuel Midheme

O Tanzania-Bondeni Community Land Trust surgiu como uma reação ao fracasso das respostas de políticas anteriores que tentaram melhorar as condições em assentamentos carentes desenvolvidos por meio da ocupação não autorizada e insegura de terrenos urbanos. Tanzania-Bondeni é um assentamento informal de 3000 pessoas localizado nos arredores de Voi, uma cidade secundária no Quênia. Em 1994, um processo de planejamento participativo liderado pelos anciãos do assentamento resultou na decisão entre os residentes de longa data de formar uma CLT. O processo de estabelecimento do Tanzania-Bondeni Community Land Trust é explorado no presente capítulo. Também são considerados os impactos positivos da organização, as falhas internas e as perspectivas de um desenvolvimento CLT mais amplo no Quênia e na África.

CAPÍTULO 15: As Origens e Evolução do Modelo CLT no Sul da Ásia
Hannah Sholder e Arif Hasan

O capítulo começa rastreando a influência dos movimentos Bhoodan e Gramdan na Índia no modelo CLT nos Estados Unidos. A Shoulder e Hasan fornecem uma visão geral do Projeto Piloto Orangi (OPP) no Paquistão, um exemplo significativo de desenvolvimento liderado pela comunidade para a atualização de infraestrutura e habitação. Com base nas lições do movimento Gramdan e dos programas do OPP, eles concluem examinando um esforço recente para adaptar o modelo CLT nos Campos Bihari de Bangladesh e sugerem que o modelo pode ter potencial para ser uma ferramenta útil para regularização de posse e melhoria de habitação em assentamentos informais em toda o subcontinente do sul da Ásia.

CAPÍTULO 16: Tome uma posição, seja dono da terra: Dudley Neighbours Inc., uma Community Land Trust em Boston, Massachusetts
Harry Smith e Tony Hernandez

O grito de guerra de uma campanha lançada pela Dudley Street Neighbourhood Initiative em 1989, "Tome uma posição, possua a terra" teve como objetivo forçar a transferência de 30 acres de terra devastada e vazia para as mãos de uma subsidiária da CLT criada no ano anterior . Metade era propriedade da cidade de Boston e a outra metade de pessoas físicas ou jurídicas. O sucesso dessa campanha de base é a peça central da história contada por Hernandez e Smith ao descrever os esforços da DSNI para construir moradias permanentemente acessíveis, construir uma vila urbana e criar uma rede municipal de novos CLTs em Boston.

CAPÍTULO 17: Terras em confiança para a agricultura urbana: em direção a um modelo escalonável
Nate Ela e Greg Rosenberg

Os fundos comunitários de terras preservam a acessibilidade e protegem a segurança da posse para proprietários e locatários, mas as CLTs não se referem apenas à habitação. Eles também estão sendo usados ​​para enfrentar o desafio de fornecer e proteger terras para a agricultura urbana. Ela e Rosenberg citam exemplos importantes nos Estados Unidos, ao mesmo tempo que oferecem orientação sobre “oito questões estratégicas” que os agricultores urbanos devem considerar ao buscar acesso a longo prazo à terra. Eles também discutem as funções que um “servidor central” pode desempenhar na proteção de terras agrícolas e no fornecimento de serviços para agricultores individuais e organizações de bairro em uma área metropolitana.

CAPÍTULO 18: As melhores coisas da vida são perpetuamente acessíveis: Perfil do Champlain Housing Trust, Burlington, Vermont
Brenda M. Torpy

Em 1984, a administração do prefeito Bernie Sanders ajudou a criar o Burlington Community Land Trust, o primeiro CLT iniciado e apoiado pelo município nos Estados Unidos. Agora conhecido como Champlain Housing Trust (CHT), ele cresceu e se tornou o maior CLT do país, com um portfólio de imóveis de mais de 3000 unidades de moradias permanentemente acessíveis e mais de 160,000 pés quadrados de espaço não residencial, espalhados por uma área de serviço de três condados. A história da CHT é contada por sua presidente fundadora, Brenda Torpy, que mais tarde se tornou a diretora executiva mais antiga da organização.

CAPÍTULO 19: Administração de Bens Imóveis Urbanos para Benefício Comunitário de Longo Prazo: Perfil da Conservação de Terras Urbanas em Denver, Colorado
Alan Gottlieb e Aaron Miripol

Estabelecido em 2003 com uma área de serviço que abrange uma área metropolitana inteira, o Urban Land Conservancy tornou-se um jogador importante no cenário imobiliário de Denver. Uma parte integrante de seu sucesso vem da adoção pela organização de características-chave da CLT, incluindo propriedade permanente de terras, arrendamento de terras por longo prazo e acessibilidade permanente de moradias e outros edifícios localizados em suas terras. Mais do que a maioria dos CLTs nos EUA e em outros lugares, o ULC aproveitou a versatilidade do modelo para ir além da casa própria - e além da habitação. A ULC apoiou o desenvolvimento de mais de 1000 unidades de residências multifamiliares, ao mesmo tempo que ajudou a desenvolver 700,000 pés quadrados de espaço não residencial para parceiros sem fins lucrativos. Recentemente, incubou a Elevation CLT, uma nova organização que (ao contrário da ULC) se concentrará no desenvolvimento e administração de residências ocupadas pelo proprietário com restrições de revenda.

CAPÍTULO 20: London Community Land Trust: Uma História de Pessoas, Poder e Perseverança
Dave Smith

O diretor executivo fundador da maior CLT do Reino Unido traça o processo e a política por trás do estabelecimento do London Community Land Trust. No centro desta história está uma campanha de 10 anos que foi travada pela LCLT para adquirir e converter um antigo hospital do NHS em habitação a preços acessíveis. Com base nessa experiência, que acabou sendo um sucesso, ele oferece três lições que são “relevantes para o movimento CLT em todo o mundo”.

Capítulo 21: De Grupo de Pressão a Parceiro Governamental: A História do Fundo de Terras Comunitárias de Bruxelas
Geert De Pauw e Nele Aernouts

Em 2013, o primeiro trust fundiário comunitário na Europa foi estabelecido por ativistas de habitação popular em Bruxelas, com apoio financeiro de seu governo regional. Geert De Pauw, um organizador e coordenador da CLT de Bruxelas, e Nele Aernouts, pesquisadora e professora da Vrije Universiteit, descrevem o processo de início desta CLT urbana e conclusão de seus primeiros projetos. Também são discutidas as perspectivas e planos da CLT para crescimento futuro.

CAPÍTULO 22: O fardo da paciência em uma longa marcha em direção à justiça racial
Tony Pickett

Os ativistas afro-americanos que criaram a CLT moderna pretendiam que fosse uma plataforma para aumentar a prosperidade e o poder das pessoas de cor. Progresso foi feito, mas ainda há mais a ser feito. Este é um momento histórico na marcha em direção à justiça racial, argumenta o diretor-executivo da Grounded Solutions Network, exigindo uma autoavaliação entre CLTs nos Estados Unidos - e em outros lugares. Os CLTs devem fazer um trabalho melhor, em particular, para aumentar a escala e abrir espaço para a próxima geração de especialistas e líderes CLT que devem ser "coletivamente diversos e intencionalmente representativos das comunidades que servem".

CAPÍTULO 23: Uma reflexão sobre a bioética dos consórcios fundiários comunitários
María E. Hernández-Torrales

Nos últimos cinquenta anos, a bioética tornou-se um dos campos mais desenvolvidos no estudo da ética aplicada. María E. Hernández-Torrales aplica os princípios gerais da análise bioética para defender o direito à moradia. Ela então aplica os mesmos princípios para argumentar que a CLT é um “modelo ético” na medida em que garante uma moradia segura, decente e acessível para os indivíduos, mesmo levando em consideração as necessidades ambientais, culturais e sociais da comunidade em geral.

CAPÍTULO 24: Controle de terras pela comunidade: pensando além da comunidade fundiária genérica
Olivia R. Williams

Conforme o modelo CLT cresceu e proliferou nos Estados Unidos, ele se desviou de seu propósito original, de acordo com Olivia Williams. Em vez de ser um mecanismo de tomada de decisão coletiva e controle de longo prazo pelos pobres, classe trabalhadora e pessoas marginalizadas sobre o desenvolvimento da terra, o modelo é cada vez mais percebido e promovido principalmente como uma estratégia economicamente eficiente para a produção de moradias populares. Como isso aconteceu? E o que pode ser feito agora para fazer com que as CLTs sejam um movimento pelo controle comunitário da terra e da habitação, que responda “àqueles na linha de frente das lutas de base”?

CAPÍTULO 25: Preservando a Generatividade Urbana: O Papel dos Espaços Porosos em Projetos CLT
Verena Lenna

A arquiteta e urbanista Verena Lenna teoriza sobre as condições necessárias para a promoção e preservação do bem urbano. Em sua análise, a riqueza comum das cidades depende da possibilidade de interações espontâneas entre indivíduos e comunidades, permitindo-lhes desenvolver reciprocidades, reagir a condições opressivas e combinar recursos e conhecimentos de maneiras novas, gerando soluções inovadoras para problemas emergentes. Baseando-se no exemplo concreto de Le Nid (“o ninho”), um dos primeiros projetos residenciais desenvolvidos pela CLT de Bruxelas, ela argumenta que os fundos fiduciários comunitários funcionam como “laboratórios de geração urbana”. Eles fornecem espaços porosos nos quais diversas coletividades interagem. Eles oferecem experiências de governança, novas formas de reciprocidade e colaboração e inovações institucionais que abordam uma variedade de questões, beneficiando a cidade como um todo.

CAPÍTULO 26: Melhor Juntos: O Desafiante, Complexidade Transformativa da Comunidade, Terra e Confiança
John Emmeus Davis

Um fideicomisso de terras comunitárias é um veículo com muitas partes móveis, uma montagem inteligente de vários ajustes na forma como a terra é propriedade, a habitação é operada e um desenvolvedor sem fins lucrativos é organizado. Separadamente, cada inovação é uma melhoria em relação à maneira como o desenvolvimento comunitário normalmente é feito. Mas eles são melhores juntos. Mais do que a reinvenção da propriedade, operação e organização, é sua combinação que dá a um CLT a vitalidade, resiliência e poder para transformar uma comunidade baseada em local.